Sinfazfisco – MG
Arquivo

SINFFAZ faz Representação perante Ministério Público

SINFFAZ faz Representação perante Ministério Público
 
No último dia seis deste mês, o SINFFAZ, através de seu Departamento Jurídico, fez uma representação perante o Ministério Público do Estado de Minas Gerais, acerca da existência da terceirização de contratações (estagiários não concursados) para o exercício de funções exclusivas dos gestores fazendários, e, por conseqüência, atividades exclusivas de Estado.
            A Representação toma por base a infração a Lei Estadual 15.464/05 (Lei de Carreira) e afirma que tal ato de contratação ilícita conta com total concordância dos agentes públicos responsáveis pela sua implementação, o que está descrito na memo.circular 222/2006 assinada pelo Subsecretário da Receita Pedro Meneguetti.  Sob a alegação do Sr. Subsecretário da necessidade de “cessão de GEFAZ para atuar no Núcleo de Atendimento em BH e unidades centralizadas” o referido ofício propõe que: para cada vaga de GEFAZ liberada seja viabilizada a contratação de dois estagiários.
            Mesmo diante da correspondência enviada ao SINFFAZ – pelo Subsecretário Pedro Meneguetti – de que em momento algum, a intenção seja de substituir gestores por estagiários, e que tais recrutamentos visam utilizar tal mão de obra até que as nomeações decorrentes do concurso ocorram, o que a Representação alega, é que o Sr Subsecretário tenta, através de tal medida, justificar os meios utilizados para a ilegalidade da ação.
            A Representação esclarece ainda que o ato da terceirização da mão de obra não pode englobar o exercício da atividade-fim da Administração Pública – leia-se atividade exercida pelo Gestor.
A Ação Civil Pública se justifica pelo fato de se tratar de um assunto de interesse público que tais contratações ferem o princípio da legalidade. E que este princípio limita a atuação do Estado ao que a Lei autoriza.
Esta Representação, movida pelo SINFFAZ, pretende que o Ministério Público, através da Ação Civil Pública, obrigue a SEF a desfazer as terceirizações ilegais, se abstenha de refazê-las, bem como responsabilize os agentes públicos responsáveis por tal.
            O SINFFAZ esclarece que desde que tomou conhecimento das contratações repudiou tal ato ilícito, oficializando sua contrariedade via ofício enviado ao Sr. Subsecretário. Entretanto, atendendo a demanda da própria categoria, o sindicato também entende que através da Ação Civil Pública a Lei deva se fazer cumprir, garantindo aos GEFAZ as atribuições que lhe são próprias por direito.
 

Notícias Relacionadas

II Congresso da Intersindical

integrate

Discussão Sobre Competências

integrate

Programa de Educação Fiscal vai à escola no Norte de Minas

integrate