Sinfazfisco – MG
Arquivo

Suspenso julgamento sobre aplicação da URV durante implantação do Plano Real

Foi suspenso hoje (24) o julgamento em que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidirão ser vão ou não manter liminar da Corte que paralisou a tramitação de todos os processos no país que versam sobre a regra de conversão do cruzeiro real para a URV (Unidade Real de Valor), instituída na fase de implantação do Plano Real, entre julho e agosto de 1994.
Um pedido de vista do ministro Cezar Peluso suspendeu o julgamento na votação de uma questão preliminar proposta pelo ministro Marco Aurélio.
A liminar em questão foi deferida pelo ministro Sepúlveda Pertence em agosto de 2006. Ele apontou a existência de decisões divergentes sobre a validez ou não da regra de conversão e disse que a matéria envolve “pendências judiciais vultosas”. A Advocacia Geral da União (AGU) fala em uma cifra em torno R$ 26,5 bilhões caso a regra de conversão, instituída pelo artigo 38 da Lei 8.880/94, seja considerada inconstitucional.
Ao deferir a liminar, Pertence atendeu a pedido da Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif), que ajuizou uma Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 77) na qual defende que o Supremo deve atestar a constitucionalidade da regra de conversão.
Com a aposentadoria de Pertence, a relatoria da matéria passou para o ministro Carlos Alberto Menezes Direito, que o substituiu. Este defendeu o referendo da liminar, mas o julgamento parou na análise da preliminar levantada pelo ministro Marco Aurélio: se cabe ou não o ajuizamento de ADPF para debater a matéria.
Preliminar
Até o momento, seis ministros votaram pelo cabimento da argüição de descumprimento de preceito fundamental, instrumento jurídico que visa evitar ou reparar lesão a preceito fundamental causado por ato do Poder Público. No caso, o risco de lesão existe nas decisões judiciais divergentes sobre o caso.
Outro ponto levantado por esses ministros é o fato de que o dispositivo que instituiu a regra de conversão já teve sua eficácia exaurida. A jurisprudência do Supremo determina que, nesses casos, não é possível ajuizar outros dois tipos de ação: uma para atestar a constitucionalidade de uma lei ou dispositivo; outra para contestar a constitucionalidade. A primeira é a ação declaratória de constitucionalidade  (ADC). A outra é a bem conhecida ação direta de inconstitucionalidade (ADI).
Votaram nesse sentido Menezes Direito (relator), Gilmar Mendes, Cármen Lúcia Antunes Rocha, Ricardo Lewandowski, Eros Grau e Joaquim Barbosa.
Para o ministro Marco Aurélio, a ADPF não é cabível porque não há, no caso, lesão de preceito fundamental a ser reparada. Ele insiste, também, que a eficácia do dispositivo que instituiu a regra de transição não está exaurida. “Estamos 13 anos depois a discutir a matéria no Supremo, o que bem demonstra que os efeitos [da lei] não estão exauridos.”  Por isso, ele defende que a ação da Consif seja julgada como sendo uma ação declaratória de constitucionalidade.
O ministro Carlos Ayres Britto, por sua  vez, entende que o caso não pode ser analisado nem por meio de ADPF, nem por meio de ADC. Ou seja, o Supremo deveria arquivá-la, sem a análise da matéria.
Fonte: Site STF, www.stf.gov.br, acesso em 24 de outubro de 2007.

Notícias Relacionadas

Começa em janeiro mudança para Cidade Administrativa

integrate

Indústria mineira dá sinais positivos

integrate

Servidora aposentada não tem direito à gratificação dos ativos

integrate