Sinfazfisco – MG
Arquivo

Sindicato fica livre de custas em Mandado de Segurança Coletivo

O Sindicato dos Servidores da Justiça do Trabalho do Paraná conseguiu o direito de isenção do pagamento de custas em mandado de segurança coletivo contra o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região. A decisão é do plenário do Tribunal Superior do Trabalho, que considerou que o recurso se enquadra no conceito de direito transindividual. O sindicato pretende impedir que o TRT determine a incidência da contribuição previdenciária sobre os proventos de um grupo de servidores inativos.
A ação foi inicialmente distribuída a uma das Varas da Justiça Federal em Curitiba (PR), que declinou da competência e remeteu os autos ao TRT. A segunda instância extinguiu o mandado sem julgamento do mérito. O fundamento foi o de que o Supremo Tribunal Federal considerou constitucional a Emenda Constitucional 41 (da Reforma da Previdência) e fixou as custas em R$ 34,8 mil a cargo do sindicato.
Em embargos de declaração, o sindicato argumentou que o teto de isenção, segundo a decisão do STF, passou a ser o mesmo dos beneficiários do Regime Geral da Previdência Social. Por isso, vários dos inativos que eram parte no processo tinham direito a diferenças e deveria ser afastada a condenação ao pagamento de custas.
A segunda instância decidiu pela isenção das custas. Ressaltou que na época em que a ação foi proposta constatou-se lesão patrimonial a servidores que a integravam. Para o tribunal, o mandado de segurança coletivo tinha natureza análoga à da ação civil pública. Assim, era possível a isenção.
A União recorreu da decisão. Questionou a interpretação e pediu a condenação ao pagamento das custas. O processo foi remetido de ofício ao TST, onde a discussão se deu em torno da possibilidade de isenção de custas em caso de mandado de segurança coletivo. O ministro Brito Pereira, relator do caso, destacou em seu voto que o artigo 790-A da CLT dispõe sobre os casos de isenção de custas e o artigo 18 da Lei nº 7.347/1985 prevê a isenção pelos legitimados a propor ação civil pública, salvo se houver má-fé.
Lembrou que a isenção tem sido concedida em outras ações que igualmente tutelam interesses transindividuais. “O mandado de segurança coletivo não possui disciplina própria”, explicou o relator.
“O objeto tutelado no mandado coletivo é, segundo alguns, o interesse individual homogêneo e, para outros, também o coletivo. Como ambos se enquadram no conceito de direito transindividual, há semelhança do mandado de segurança coletivo com a tutela buscada na ação civil pública.”
O relator assinalou que o alto valor das custas, no caso, “revela a possibilidade de insolvência civil do sindicato, a subverter a lógica das garantias individuais e dos remédios constitucionais, no qual se inclui o mandado de segurança coletivo”.
Brito Pereira aplicou a teoria da ponderação de interesses constitucionais em que os princípios da legalidade restrita e da não-ampliação das isenções tributárias se contrapõem aos princípios do acesso à Justiça, da liberdade de associação, da finalidade sindical, da intangibilidade das garantias individuais, da efetividade dos instrumentos constitucionais e da não-intervenção estatal. “O sindicato, neste caso, está atuando na defesa de um grupo de seus filiados, e não na defesa de seu próprio interesse, mas de direito individual homogêneo”, afirmou o ministro.
Para ele, “é nítida a semelhança do mandado de segurança coletivo com o da ação civil pública. Entender de modo diverso pode significar concretamente, em face do valor das custas, vedação de acesso à Justiça, afronta ao direito de associação e negação da finalidade constitucional do sindicato mediante a intervenção estatal. Em outras palavras, exigir o pagamento das custas implica violação aos artigos 5º, incisos XVIII, XIX, XXXV e LXX e 8º, caput e incisos I e II da Constituição da República”, concluiu.
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 20 de março de 2007

Notícias Relacionadas

Proposição 17.105

integrate

Estado da Bahia obtém bom resultado na Reestruturação das Carreiras do Fisco

integrate

Encontro com Aprovados no Concurso de 2007

integrate