Sinfazfisco – MG
Arquivo

Nomeação fomenta discussão

       
Conforme discutido na reunião com o Secretário de Estado de Fazenda, Simão Cirineu, no último dia 11, mais 80 Gestores foram nomeados. Seria uma boa notícia se esses 80 fossem os Gestores restantes para completar o Quadro Específico de Cargos (QEC), que segundo pesquisa realizada pelo Sinffaz nas AF’s e nos PF’s, apresenta 821 cargos vagos. Entretanto, com essas nomeações, atingimos insignificantes 280 nomeados, sendo que apenas 142 foram empossados e estão trabalhando. E na próxima Cerimônia de Posse, é bem provável que nem todos os 80 estejam presentes.
            Diante dessa situação, é possível concluir que a categoria dos Gestores vem sendo sufocada de diversas maneiras. A remuneração está longe de ser equânime e longe de ser um incentivo para que os concursados queiram construir uma carreira dentro da SEF. As atribuições são retiradas através de emendas, minutas, projetos, reformas e outras artimanhas encontradas pelos detentores do poder, enfraquecendo e desmotivando cada vez mais o Gestor. Os aprovados nos concursos convivem com a triste realidade de não serem nomeados, por não estarem dentro da previsão orçamentária ou por descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas, sabem que se todos os contratados e terceirizados fossem dispensados eles poderiam conquistar seu lugar de direito.
            Quando a Lei de Carreira 15.464 foi instituída em 2005 o QEC dos Técnicos Fazendários estava completo, enquanto eram necessários cerca de 1000 Gestores para completar o Quadro. Hoje a matemática adotada pela SEF não apresenta nenhum sentido. Foram nomeados mais de 200 Técnicos, em contrapartida, apenas 80 Gestores tiveram a mesma “sorte”.
            Diante desse cenário, o Sinffaz se vê indignado e espera que esse sentimento invada a categoria que há muito vem sendo desvalorizada. Essas atitudes retratam as expectativas e com qual mão-de-obra a Administração deseja trabalhar. Vale ressaltar que essa situação influencia não somente os Gestores, mas também a sociedade. É preciso evitar que a SEF se transforme em uma Corporação permeada por ações nada técnicas e profissionais, exacerbando o valor de uma categoria em detrimento de outra. O momento para nos unirmos contra essas arbitrariedades é agora, pois corremos o risco de, em breve, surgir uma minuta, um decreto ou um projeto de lei que nos prive até mesmo de lutar.

Notícias Relacionadas

Notícias do Minas Gerais

integrate

Decreto nº 44.573, de 23 de julho de 2007 – Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n° 43.080, de 13 de dezembro de 2002.

integrate

Aprovado Orçamento Financeiro para o ano de 2011

integrate