Sinfazfisco – MG
Arquivo

MG prevê receita 7,36% maior

O governo mineiro está otimista
quanto aos efeitos da crise financeira mundial em sua arrecadação e manteve a
previsão de crescimento do orçamento para 2010. A receita projeta da na Lei de
Diretrizes Orçamentárias (LDO) – peça que serve como orientação para o
orçamento e que já tramita na Assembleia Legislativa – é de R$ 41,84 bilhões,
uma alta de 7,36% em relação ao orçamento previsto para 2009, que é de R$ 38,97
bilhões.

A previsão é de aumento dos
investimentos em programas das áreas social e de infraestrutura. As principais
iniciativas do governo terão um número maior de beneficiários do que o previsto
para este ano, embora os valores dos investimentos só sejam definidos no
segundo semestre.

A proposta de LDO foi enviada para
a Assembleia Legislativa na semana passada, e os deputados precisam aprová-la
ainda no primeiro semestre, dentro do que prevê o Plano Plurianual de Ação
Governamental (PPAG).

Mesmo diante da crise, o único sinal de revisão de planos
financeiros no Estado está na previsão de crescimento do Produto Interno Bruto
(PIB). Na LDO do governo federal, o Ministério da Fazenda prevê um crescimento
de 5% em 2010 em todo o país. No entanto, o índice utilizado pelo governo de
Minas é o apresentado no Relatório Focus, publicado pelo Banco Central (BC), de
3,5%, um pouco mais conservador.

“A crise atingiu a todos os governos neste ano, mas certamente teremos uma
retomada do crescimento em 2010, só que não será tão grande como prevê o
governo federal. A estimativa do Banco Central é bem mais realista”,
justificou o deputado estadual, Zé Maia (PSDB), relator da proposta na
Assembleia Legislativa.

Na Lei de Diretrizes Orçamentárias, o governo estadual pretende manter o mesmo
nível de investimentos para os seus 57 projetos prioritários, os chamados
estruturadores.

Beneficiários. O Programa Travessia, que prevê
investimentos nos municípios em diversas áreas, pretende atender cerca de 200
mil pessoas em obras de saneamento básico. Ainda segundo a lei, outras 10 mil
pessoas receberão capacitação profissional.

Como o programa foi lançado em 2009, ainda não havia previsão específica para
ele no orçamento aprovado em dezembro passado e, portanto, não há ainda base
para comparação.

O programa Minas Sem Fome, que incentiva a agricultura familiar no interior do
Estado, prevê um aumento de 22,9% no número de famílias atendidas, passando de
107,9 mil neste ano para 132,7 mil em 2010.

Outro programa que vai receber mais recursos é o Poupança Jovem, que garante
uma bolsa de R$ 3.000 para o aluno que completa o ensino médio em escolas
públicas. A previsão é de que o número de estudantes aumente em 30%, passando
de 32,6 mil em 2009 para 42,5 mil em 2010.

O
Proacesso, a menina dos olhos do governo estadual, prevê uma redução do número
de municípios beneficiados com a pavimentação de rodovias de 92 em 2009 para 68
em 2010. No entanto, um braço do programa, o Pro-MG, pretende recuperar 7.900
quilômetros de estradas estaduais no ano que vem. O número representa 51% a
mais do que o que foi previsto para todo o ano de 2009.

A
reportagem procurou a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão, responsável
pelo projeto da LDO. Segundo a assessoria, a secretaria não vai se pronunciar
sobre o assunto.

 

Fonte
www.otempo.com.br/otempo

Notícias Relacionadas

Cobrança pelo uso da água será realidade em Minas até final de 2009

integrate

Contadoria Geral debate novas regras da Contabilidade

integrate

Setores da economia pedem mudanças no pacote tributário do Executivo

integrate