Sinfazfisco – MG
Arquivo

Leiam e comentem a matéria do Jornal Diário do Comércio!

Reforma tributária emperrada
 
Parlamentares, principalmente os tucanos, contra proposta de repartição do ICMS.
 
A proposta de reforma tributária – que desde o primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vem sendo discutida no Congresso Nacional – está cada dia mais longe de ser aprovada, mesmo que o governo queira agilizar o processo. É que o substitutivo apresentado pelo deputado Sandro Mabel (PR-GO), e que deveria ser colocado em votação na Câmara, foi muito criticado pelos deputados da oposição que não aceitam votar o texto atual.

A maior crítica dos parlamentares, principalmente dos tucanos, é quanto à indefinição sobre como ficará a divisão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) nos estados, que seria unificado. De acordo com o vice-líder da minoria, deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), a reforma não resolve nada, pelo contrário, promoveria apenas uma rearranjo.

“O substitutivo atinge frontalmente o ICMS, que é o principal imposto dos estados e municípios. E o texto não resolve um problema crucial, que é aliviar a carga tributária”, afirmou.

O líder do PSDB na Câmara, deputado José Aníbal (SP), declarou que o projeto é uma “colcha de retalhos”. Segundo ele, nas últimas 24 horas antes da votação do relatório elaborado por Mabel na comissão especial (o que aconteceu no final do ano passado) o relator teria acolhido mais de uma dúzia de emendas e readequações, modificando alíquotas.

No entanto, o deputado negou que o PSDB seja contra mudanças no ICMS. “Nós não temos nenhuma resistência a que haja mudanças, mas defendemos um percentual maior destinado ao Estado de origem, até para que haja mais interesse na produção. Não pode ser 1% ou 2%, mas pelo menos 4% do arrecadado.”

Para o deputado membro da Comissão de Finanças e Tributação Duarte Nogueira (PSDB-SP), além dos problemas já citados, o pior é a falta de informações essenciais sobre a reforma, já que o substitutivo não aponta como serão feitas as alterações que propõe. “Não estamos empacando nada. Mas, sem termos os elementos necessários, acho difícil o texto passar”, observou.

Alterações – Entre as mudanças que estão incluídas no substitutivo, está a unificação das alíquotas do ICMS, que atualmente são diferentes em cada Estado. O ICMS seria transformado no Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que passaria a ter uma alíquota nacional de 18%.

No atual sistema, o ICMS é repartido entre a origem e o destino de cada produto com vantagem para a origem. O IVA inverte esta regra, com percentual maior sendo arrecadado pelo Estado de destino.

LUCIANE LISBOA
 
 
 
 
 

Notícias Relacionadas

Sinffaz requer Audiência com Subsecretário do Tesouro Estadual

integrate

Sindicato que atua como substituto não paga honorários

integrate

Obrigatoriedade de emissão da NF-e

integrate