Sinfazfisco-MG
Arquivo

Lei Delegada altera Estrutura da SEF

Divulgada hoje, 21 de janeiro de 2011, no jornal Minas Gerais a Lei Delegada que modifica toda estrutura do Governo de Minas.  O capítulo XV foi destinado às alterações pertinentes a Secretaria de Estado de fazenda. Veja abaixo como ficou.
 
 
 
 
 
 
Da Secretaria de Estado de Fazenda
 
 
Art. 188 A Secretaria de Estado de Fazenda – SEF -, a que se refere o inciso XII do art. 5º da Lei Delegada nº 179, de 2011, tem por finalidade planejar, organizar, dirigir, coordenar, executar, controlar e avaliar a política tributária e fiscal, a gestão dos recursos financeiros e as atividades pertinentes à gestão da governança corporativa estadual, assim como responsabilizar-se pela implementação das políticas tributária e fiscal e pelo provimento, controle e administração dos recursos financeiros necessários à consecução dos objetivos da Administração Pública Estadual, competindo-lhe:
 
I – subsidiar a formulação das políticas tributária e fiscal do Estado e promover sua execução, controle, acompanhamento e avaliação;
II – gerir o Sistema Tributário Estadual para garantir a efetivação do potencial contributivo da economia e assegurar o controle da arrecadação tributária;
III – promover a gestão dos recursos financeiros e o efetivo controle dos gastos públicos para viabilizar a execução financeira das políticas governamentais;
IV – propor anteprojetos de lei tributária estadual, assegurar a correta interpretação e aplicação da legislação tributária e promover a conscientização do significado social do tributo;
V – gerir o processo de arrecadação dos tributos estaduais por meio do acompanhamento, da apuração, da análise e do controle da integralidade de seus produtos;
VI – promover o registro e o controle administrativo das atividades econômicas sujeitas à
tributação;
VII – exercer o controle das atividades econômicas, na forma da legislação tributária e fiscal, para assegurar a compatibilidade entre a real capacidade contributiva da economia e a receita efetiva;
VIII – formalizar e exercer o controle do crédito tributário e dos procedimentos relacionados à sua liquidação;
IX – rever, em instância administrativa, o crédito tributário constituído e questionado pelo
contribuinte;
X – aplicar medidas administrativas e penalidades pecuniárias, inclusive a representação para o procedimento criminal cabível nos delitos contra a ordem tributária;
XI – conduzir, promover, examinar e autorizar a negociação para a contratação de empréstimos, financiamentos ou outras obrigações contraídas por órgãos ou entidades da Administração Pública Estadual, relativas a programas e projetos previamente negociados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, bem como estabelecer normas para a concessão de fiança, aval ou outra forma de garantia oferecida pelo Tesouro Estadual;
XII – exercer a orientação, a supervisão e a fiscalização das atividades de administração financeira do Estado;
XIII – exercer a administração da dívida pública estadual, a coordenação e a execução da política de crédito público, a centralização e a guarda dos valores mobiliários;
XIV – exercer a orientação, a apuração e a correção disciplinar sobre seus servidores, mediante a promoção regular de ações preventivas, e a instauração de sindicância e processo administrativo disciplinar, bem como zelar por suas unidades administrativas e pelo patrimônio, observadas as diretrizes estabelecidas pela Controladoria-Geral do Estado;
XV – manter programas, projetos e atividades de desenvolvimento e aperfeiçoamento permanente do pessoal fazendário, indispensáveis ao cumprimento de seus objetivos;
XVI – assessorar o Governador em assuntos relacionados às políticas tributária, fiscal, econômica e financeira;
XVII – exercer a orientação normativa, a supervisão técnica e o controle das atividades contábeis relativas à gestão orçamentária, financeira e patrimonial do Estado;
XVIII – exercer atividades correlatas; e
XIX – exercer o poder de polícia no âmbito de sua competência.
 
Art. 189  A Secretaria de Estado de Fazenda tem a seguinte estrutura orgânica básica:
 
I – Gabinete;
II – Auditoria Setorial;
III – Corregedoria;
IV – Assessoria Jurídica;
V – Assessoria de Comunicação Social;
VI – Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação;
VII – Superintendência de Gestão e Finanças;
VIII – Superintendência de Tecnologia da Informação;
IX – Superintendência de Recursos Humanos;
X – Subsecretaria da Receita Estadual:
a) Superintendência de Fiscalização;
b) Superintendência de Tributação;
c) Superintendência de Arrecadação e Informações Fiscais; e
d) Superintendências Regionais da Fazenda, até o limite de dez unidades; e
XI – Subsecretaria do Tesouro Estadual:
a) Superintendência Central de Administração Financeira;
b) Superintendência Central de Governança de Ativos e da Dívida Pública; e
c) Superintendência Central de Contadoria-Geral.
§ 1º São de responsabilidade do Gabinete as atividades administrativas do Conselho de
Contribuintes do Estado de Minas Gerais, nos termos de decreto.
§ 2º Subordinam-se ao Gabinete o Auditor Fiscal, a que se refere o Anexo I da Lei Delegada nº 176, de 26 de janeiro de 2007, e o pessoal de apoio administrativo do Conselho de Contribuintes do Estado de Minas Gerais, cujas atividades serão executadas sob supervisão e orientação técnica do Presidente do Conselho de Contribuintes, nos termos de decreto.
 
Art. 190 Serão estabelecidas em decreto:
 
I – a localização das Superintendências Regionais da Fazenda;
II – a localização, a abrangência e a subordinação das unidades integrantes da estrutura orgânica complementar das Superintendências Regionais da Fazenda; e
III – a classificação das unidades de que trata o inciso II deste artigo, segundo padrões de planejamento geoeconômico e outras variáveis de natureza tributária e fiscal.
 
Art. 191 Integram a área de competência da Secretaria de Estado de Fazenda:
 
I – por subordinação administrativa, o Conselho de Contribuintes do Estado de Minas Gerais; e
II – por vinculação:
a) a Caixa de Amortização da Dívida – CADIV;
b) a Loteria do Estado de Minas Gerais – LEMG; e
c) a empresa Minas Gerais Participações S.A. – MGI.
 
Seção I Da Loteria do Estado de Minas Gerais
 
Art. 192 A autarquia Loteria do Estado de Minas Gerais – LEMG -, a que se refere a alínea “b” do inciso X do art. 12 da Lei Delegada nº 179, de 2011, tem por finalidade, mediante exploração de jogos lotéricos e similares no Estado, incluído o jogo eletrônico por meio físico e digital, gerar recursos e destiná-los à promoção do bem-estar social, a programas nas áreas de assistência, desportos, educação, saúde e desenvolvimento social, competindo-lhe:
 
I – planejar, coordenar, autorizar, credenciar, dirigir, executar, fiscalizar, distribuir e controlar as
atividades relacionadas com a exploração do jogo lotérico e similares, incluído o jogo eletrônico por meio físico e digital, observada a legislação federal atinente à matéria;
II – conceder permissão a terceiros para distribuição de jogo lotérico específico, incluído o jogo eletrônico por meio físico e digital;
III – promover e implementar planos de jogos, programas e projetos que visem à exploração do mercado lotérico e similares;
IV – articular-se com instituições congêneres de outras unidades da Federação com vistas à conjugação de esforços e à concretização de objetivos comuns; e
V – exercer atividades correlatas.
 
Parágrafo único. Os jogos lotéricos serão objeto de regulamentação constante de plano lotérico de jogo, devidamente aprovado por portaria do Diretor-Geral da LEMG.
 
Art. 193 A LEMG tem a seguinte estrutura orgânica básica:
 
I – Conselho de Administração;
II – Direção Superior:
a) Diretor-Geral; e
b) Vice-Diretor-Geral; e
III – Unidades Administrativas:
a) Procuradoria;
b) Auditoria Seccional;
c) Diretoria de Planejamento, Gestão e Finanças; e
d) Diretoria de Operações.
 
Art. 194 Ficam revogadas as Leis Delegadas nº 88, de 29 de janeiro de 2003, e nºs 123 e 155, de 25 de janeiro de 2007.

Related posts

Video conta um pouco da história do Sinffaz

Leandro 4infra

Sindicato deve pagar custas em processo trabalhista

Leandro 4infra

Assembléia discutirá veto de Lula sobre fraude trabalhista

Leandro 4infra