Sinfazfisco – MG
Arquivo

CARTA DE BELO HORIZONTE

CARTA DE BELO HORIZONTE
Resultado das reflexões acerca dos temas que foram debatidos/abordados no 1º Congresso dos Servidores da Administração Tributária do Estado de Minas Gerais – I CONSAT, a Carta de Belo Horizonte é um documento produzido de forma coletiva, contendo as reivindicações e conclusões dos participantes do CONSAT.
A carta será levada ao conhecimento dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público e das entidades e associações civis, inclusive de outros Estados da Federação e Distrito Federal, especialmente às entidades representativas dos Servidores das Administrações Tributárias das Receitas Federal, Distrital e Estaduais.

A Carta de Belo Horizonte demonstra, mais uma vez, como o SINFFAZ e a ASSEMINAS, além de lutarem na defesa dos direitos e interesses dos Servidores da Administração Tributária mineira, também pugnam pela prevalência do interesse público e o bem comum na sociedade, bem como pela observância estrita dos Princípios Constitucionais da legalidade, eficiência e eficácia, norteadores de toda a Administração Pública. Exemplo disso foi a realização do próprio CONSAT  e também a apresentação de Proposta de Incremento da Arrecadação, sem aumento da carga tributária, com justiça fiscal, objetivando que o Estado tenha recursos suficientes para implementação de suas políticas públicas nas áreas fundamentais da educação, saúde, segurança, transportes e infraestrutura.
Leia a carta na íntegra.
 
CARTA DE BELO HORIZONTE
 
No encerramento do Primeiro Congresso dos Servidores da Administração Tributária do Estado de Minas Gerais (I CONSAT), cujo tema central foi “Administração Tributária e o Princípio da Eficiência”, os Gestores Fazendários apresentam à sociedade brasileira este documento, contendo síntese das discussões realizadas durante o evento e suas conclusões.
 
Na oficina de trabalho voltada às propostas para incremento da profissionalização e valorização dos servidores da Administração Tributária, os congressistas concluíram que desvio de função, terceirização ilícita e assédio moral na Secretaria de Estado de Fazenda do Estado de Minas Gerais (SEF/MG) são práticas que urgem ser combatidas. Para tanto, sugeriram a criação de canais de comunicação entre os servidores e o sindicato, a fim de que cada servidor possa denunciar, individualmente, as irregularidades que ocorram no ambiente de trabalho. Verificou-se, ainda, a importância de conscientização da categoria e atuação conjunta do sindicato e dos servidores para reivindicar soluções junto a órgãos administrativos.
 
Discutiu-se, ademais, ausência de delimitação das funções dos cargos que compõem o Grupo de Tributação, Fiscalização e Arrecadação de Minas Gerais (GTFA). Nesse sentido, os servidores concluíram pela necessidade de definição das atribuições dos cargos, de modo que a Administração fique impedida de, discricionariamente, atribuir ou retirar atribuições previstas em lei. Por essa razão, os congressistas avaliaram a importância da participação do servidor no processo de elaboração dos acordos e programas de trabalho.
 
Também, a inexistência de isonomia no oferecimento de oportunidades de qualificação profissional e desenvolvimento do servidor na carreira, no reconhecimento do mérito e da produtividade dos servidores do GTFA e no acesso dos servidores aos sistemas de informação da SEF/MG foram questões igualmente enfocadas. Defendeu-se a necessidade de garantir acesso isonômico aos sistemas de informação por Gestores Fazendários e Auditores Fiscais da Receita Estadual e oferecimento, de maneira equânime entre Gestores e Auditores, de cursos de capacitação e profissionalização. Ressaltou-se a importância de reestruturação da carreira, de modo a prever ascensão funcional compatível com a complexidade das atribuições, com revisão dos critérios de promoção e progressão funcional, atentando-se para a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, no que tange à escolaridade exigida para a função, similitude e complementaridade das atribuições e remuneração equânime.
 
Decidiu-se, ainda, que se deve buscar reconhecimento, por parte do Estado, de condições especiais de aposentadoria, bem assim a necessidade de adequação do estatuto e do regime disciplinar dos servidores. 
 
No tocante à oficina em que se discutiram propostas para o relacionamento intersindical na Administração Tributária, depois de debater sobre o direito de participação sindical, a liberação de dirigente sindical e o direito de greve, observando os anseios da classe e do movimento sindical, concluiu-se pela necessidade de normatização/regulamentação do direito do servidor de participar em assembleias e eventos sindicais, respeitando-se o “ponto” e reafirmando, assim, direito garantido pela Constituição da República de 1988. Também, reconheceu-se a necessidade de alteração da atual regra de liberação de dirigente sindical, de modo a permitir a liberação dos 14 dirigentes regionais, baseando-se na Convenção 151 da OIT – Organização Internacional do Trabalho e na Constituição de 1988. Ainda, os servidores solicitaram que o Estado garanta a participação efetiva do sindicato em todo o processo de normatização do direito de greve.
 
Por fim, em relação à oficina que discutiu propostas para a Lei Orgânica da Administração Tributária (LOAT), após a apresentação do panorama geral sobre a PEC 186 de 2007 e a minuta de LOAT apresentada no Encontro Nacional dos Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais (ENCAT), destacou-se o fundado receio de que referida proposta de Lei Orgânica represente verdadeiro movimento corporativista.
 
Diante dessa problemática, foi apresentada, como estratégia de ação, a elaboração, pela Federação Brasileira de Sindicatos das Carreiras da Administração Tributária da União, dos Estados e do Distrito Federal (FEBRAFISCO), apoiada pelos sindicatos que representam as carreiras da Administração Tributária, de uma nova minuta inclusiva e não excludente, em contraponto àquela apresentada pelo ENCAT.
 
Verificou-se a importância de os sindicatos e a federação trabalharem para que a proposta de LOAT seja elaborada por uma comissão paritária, a fim de que a Lei Orgânica não seja elaborada atendendo os interesses de apenas um grupo de servidores nos Estados, contrariando, assim, a supremacia do interesse público e a eficiência administrativa.
 
Deve-se buscar, ainda, que a LOAT estabeleça critérios objetivos para o desenvolvimento funcional do servidor na carreira da Administração Tributária, a fim de se evitarem ingerências políticas.
 
Deliberou-se pela importância de se desenvolver projeto de educação fiscal-tributário, visando conscientizar a sociedade de que todos os cargos que compõem a Administração Tributária exercem atividades essenciais do Estado. 
 
Finalmente, reconheceu-se a responsabilidade da própria categoria, que deve constantemente mobilizar-se. Com isso, verificou-se a necessidade de promoção de seminários, workshops e congressos para a constante conscientização dos Gestores de que é necessário comprometer-se para com a luta.
 
Essas propostas foram fruto das reflexões dos servidores participantes do I CONSAT, que, por meio do SINFFAZ, sindicato representante dos servidores da administração tributária mineira, subscrevem esta Carta e conclamam os governantes e a sociedade a refletirem sobre o processo de valorização da Administração Tributária mineira e dos servidores que a compõem, na perspectiva do desenvolvimento e construção de um País justo, livre dos movimentos corporativistas e garantidor do bem comum, razões da existência do Estado.
 
Belo Horizonte, 27 de novembro de 2012.
 
 

Notícias Relacionadas

SINFFAZ participa do 30º Congresso Mineiro de Municípios

integrate

Comissão de Administração Pública aprova audiências

integrate

Secretário de Fazenda libera o ponto dos participantes do II CONSAT

integrate