Sinfazfisco – MG
Arquivo

BB assume hoje folha do estado

 
 

Marta Vieirado Jornal Estado de Minas
O Banco do Brasil assume a partir de hoje a administração da folha de pagamento de 562 mil servidores de Minas Gerais, entre trabalhadores ativos, aposentados e pensionistas, orçada em cerca de R$ 750 milhões por mês. O governador Aécio Neves e o presidente do banco, Antônio Francisco de Lima Neto, assinam pela manhã o contrato de prestação do serviço no Palácio da Liberdade, liberando a instituição financeira para começar o trabalho de abertura de contas-salário dos funcionários públicos. O pagamento de novembro, referente aos vencimentos deste mês, ainda serão pagos pelo Banco Itaú, gestor desde a privatização dos extintos bancos estaduais Bemge e Credireal, em 1998.

Os servidores passam a receber pelo BB em dezembro, portanto os salários relativos ao mês que vem. Nada muda nas datas de pagamento. A opção pelo contrato de prestação de serviços com duração de 60 meses, firmado entre duas instituições públicas, permitiu ao estado dispensar a licitação pública para substituir o Itaú. O artigo 24 da Lei Federal 8.666, de 1993, torna dispensável a concorrência para aquisição, por entidade pública, de bens ou serviços prestados por órgãos que integrem a administração pública.

O secretário da Fazenda de Minas, Simão Cirineu, dará entrevista logo depois da cerimônia na sede do governo estadual, que admitiu as negociações com o BB há duas semanas, na tentativa de obter maior retorno de um ativo valioso, como fizeram outros estados, a exemplo de São Paulo. Circulam informações de que o banco estatal negociou vantagens expressivas em relação ao Itaú, como parte de uma estratégia agressiva de comprar a folha de pessoal em vários estados.

A assessoria do governador Aécio Neves já havia confirmado que o Banco Itaú continuará a administrar os pagamentos de tributos e a trabalhar como centralizador da arrecadação do estado, que tem como principal fonte o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). Só desse recolhimento, os pagamentos recebidos por diversos bancos, repassados ao Itaú e depois ao estado, somariam algo próximo de R$ 1,5 bilhão por mês.

A privatização do Bemge, comprado pelo Itaú, previa a transferência da gestão das contas de salário dos servidores estaduais por cinco anos. Antes do vencimento em 2003, no governo de Itamar Franco, o contrato com o banco foi renovado automaticamente até 2010. O Ministério Público Estadual e deputados de oposição vinham contestando essa medida. No começo deste mês, o governo estadual admitiu que romperia o contrato com o Itaú, quando já vinha negociando com o Banco do Brasil.

A troca foi considerada positiva pelos servidores, que consideravam altos os juros cobrados pelo Itaú e houve denúncias à Comissão de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Assembléia Legislativa de Minas de que a instituição vinha retendo salários como pagamento de dívidas contraídas com o banco, como no cheque especial. A comissão do Legislativo já pediu ao governo estadual que impeça, no novo contrato, que o BB adote a mesma medida, à exceção dos descontos previstos nos contracheques em empréstimos consignados.

Fonte: Jornal Estado de Minas de 17.10.2007

Notícias Relacionadas

Índice do VAF pode ser revisto

integrate

Presidente Sinffaz recebe os aprovados no Concurso 2007 para Gefaz

integrate

Projeto de correção de parcelas remuneratórias pronto para o Plenário

integrate