Sinfazfisco – MG
Arquivo

Inscrição em concurso não é relação de consumo

A taxa de inscrição em concurso público tem natureza jurídica de tributo, não se caracterizando como relação de consumo. Portanto, os seus pagantes são contribuintes e não consumidores. Com esse entendimento, o juiz João Batista Brito Osório, da Vara Federal de Bagé (RS) não reconheceu a legitimidade da Defensoria Pública para propor Ação Civil Pública com o propósito de isentar os candidatos de baixa renda da taxa de inscrição em concurso público.
A ação, ajuizada pelo defensor público Robson de Souza, objetivava a isenção da taxa no concurso do IBGE para aqueles que fossem reconhecidamente pobres ou que não pudessem pagar a referida taxa sem prejuízo do seu sustento ou do de sua família. Segundo o defensor, a Lei no 11.448/07 autoriza a Defensoria Pública a ajuizar ações como a do caso. “Além disso, toda a jurisprudência dos tribunais superiores é no sentido de acolher estes pedidos e a legitimidade da Defensoria”, defendeu ele.
Segundo o juiz, o Superior Tribunal de Justiça entende que a Ação Civil Pública não é meio adequado para contestar cobranças que fujam à relação de consumo como descrita no artigo 21 da Lei no 7.347/85.
Ao extinguir a ação sem juízo de mérito, o juiz se baseou em jurisprudência firmada no Superior Tribunal de Justiça no “sentido de que o Ministério Público não tem legitimidade para ajuizar ação civil pública visando à declaração de ilegalidade ou inconstitucionalidade da instituição de taxa de inscrição em concurso público, uma vez que não há interesse difuso e coletivo, mas sim o interesse patrimonial disponível de um reduzido número de pessoas”.
O defensor já confirmou que irá recorrer da sentença junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 28 de março de 2007

Notícias Relacionadas

Fechamento Postos Fiscais

integrate

Ganhadores do Workshop PDG 2010 são da SRF Ipatinga

integrate

Ouvidoria manda SEF apurar Assédio Moral em Uberlândia

integrate