Sinfazfisco – MG
Arquivo

Caso Teófilo Otoni – Acesse!

Ao contrário do Sindifisco-MG, o Sinffaz foi à busca da verdade, entrando em contato com o chefe da AF, Arivaldo Rodrigues da Silva e com a Subsecretaria da Receita Estadual, que recebeu o Sindicato no dia 25 de março para prestar os devidos esclarecimentos. Na ocasião, o Sinffaz não precisou entrar em contato com o Superintendente de Governador Valadares, Fausto Edimundo Fernandes Pereira, uma vez que a própria SEF/MG já havia pedido um posicionamento sobre a situação.
 
Pedro Meneguetti declarou que foi determinado pelo Gabinete que os Gestores fossem explorados ao máximo, em cumprimento da operação emergencial da Fazenda/MG. O Subsecretário também enfatizou a falta de responsabilidade do Sindifisco-MG em divulgar essa informação distorcendo a fala da SEF/MG. O Subsecretário informou ainda, que atribuições como Leitura X e visto em Bloco de Nota não foram repassadas aos Gestores, que em momento algum, realizaram essas ações.
 
Já o Superintendente da Regional de Governador Valadares afirmou que não houve invasão de competência e destacou o empenho dos Gestores na realização das suas tarefas, parabenizando-os, no e-mail encaminhando ao Subsecretário. (Veja o E-MAIL do Superintendente, encaminhado pelo Subsecretário).
 
O chefe da AF, Arivaldo Rodrigues da Silva, também ressaltou que não recuou nem negou suas orientações. Afinal, suas tarefas estão previstas em Lei e são realizadas pelos Gestores Fazendários há anos. “Faço meu trabalho da melhor maneira que posso, e todas essas mentiras desestimulam o trabalho”, enfatizou.
 
Ressaltamos que possíveis parcerias com o Sindifisco-MG, ou com outros Sindicatos, não significam submissão ou conivência. Reafirmamos que há espaço para todos na SEF/MG e não precisamos nos apropriar de atribuições alheias, uma vez que lutamos pela valorização das nossas tarefas.
 
O que não podemos admitir é que acusações infundadas, irresponsáveis e caluniosas possam ser dirigidas a qualquer cidadão de bem, principalmente sendo ele um Gestor Fazendário. No presente caso, há um agravante, pois o cidadão caluniado é o chefe da Administração Fazendária, representante do Governo naquele município.

Notícias Relacionadas

DECRETO nº 45.529

integrate

Terceirizado em serviço público não recebe benefícios

integrate

Diretoria do SINFFAZ participa de celebração ecumênica com Gláucia Brandão

integrate