Sinfazfisco – MG
Arquivo

A hora do Projeto de Incremento da Arrecadação é agora!

 
      A VISÃO GERENCIAL DO PROJETO DE INCREMENTO DA ARRECADAÇÃO 
Como divulgado na mídia, Minas Gerais terá um rombo de caixa a partir do ano que vem, quando serão reduzidas drasticamente as contas de energia elétrica da indústria e dos consumidores, por força das medidas do Governo Federal, visando diminuir o chamado “Custo Brasil”. Já a proposta dos Governos de Minas Gerais e do Pará, no intuito de aumentar os royalties do setor de mineração também não vingou, caindo por terra expectativa de crescimento da receita tributária. Também caiu por terra a instalação da Foxconn em Minas, perdendo nosso Estado mais de um bilhão de investimentos, ou seja, o investimento e a receita futura foram embora. Por sua vez, o próprio Governador Antônio Anastasia já demonstrou publicamente preocupação com a receita e despesa do Estado.
Ou seja, o caixa do Estado está numa situação delicada, não havendo expectativa de crescimento da arrecadação nem fonte para cobrir despesa e investimentos. Porém, em sentido contrário, a SEF/MG, cuja missão de gerir e obter recursos para o Estado, ainda continua no século passado, não investindo em parte do seu quadro de servidores, legalmente concursados para arrecadar, tributar e fiscalizar. O exemplo mais cruel da falta de visão gerencial é a subutilização da mão-de-obra dos GESTORES FAZENDÁRIOS, categoria concursada, de nível superior, típica de Estado, que integra o Grupo de Atividades de Tributação, Fiscalização e Arrecadação, que NÃO PODE FISCALIZAR nem OBTER RECURSOS PARA O ESTADO, por força de legislação recente que implantou uma espécie de reserva de mercado na SEF/MG.
Mas a verdade continua sobre a mesa: a crise econômica mundial afeta nosso País e em especial Minas Gerais, diminuindo a renda dos mineiros e piorando a prestação de serviços públicos. Veja que enquanto praticamente todos ESTADOS DA FEDERAÇÃO JÁ UNIFICARAM O SEU CORPO DE SERVIDORES DA ÁREA FISCAL, aumentando a eficiência da máquina de arrecadação, em Minas ocorreu justamente o contrário, uma vez que DESMEMBRARAM A CARREIRA FISCAL DO ESTADO no último plano de carreira, DEIXANDO MAIS DE 1.300 SERVIDORES – GESTORES FAZENDÁRIOS – NO LIMBO…
O pior disso é que foi apresentada ao Governo Estadual a PROPOSTA DE INCREMENTO DA ARRECADAÇÃO desenvolvida pelo SINFFAZ (Sindicato representante legal e histórico dos Gestores e Auditores Fiscais de MG), que visa trazer benefícios à sociedade mineira e tornar eficiente o serviço público fazendário. Inclusive, o citado Projeto foi apresentado à sociedade em audiência pública realizada na Assembléia Legislativa, com ampla repercussão. Contudo, o tempo passou e os interesses corporativos novamente obstruíram a marcha dessa valiosa proposta, não tendo sido colocado nada em prática nem mesmo sendo realizado um estudo sério da matéria.
Quem está pagando a conta então? O certo é que a própria sociedade mineira está pagando um preço muito alto pela ineficiência do sistema de arrecadação estadual: quando os hospitais não têm leitos suficientes, quando as creches não têm vagas, quando as estradas e os meios de transporte são ineficientes, quando a violência assola a sociedade pela falta de investimentos, quando a educação não tem recursos nem salários dignos etc.  
Pelas razões expostas, todos os segmentos da sociedade devem conhecer o PROJETO DE INCREMENTO DA ARRECADAÇÃO do SINFFAZ, no propósito de cobrar posição e iniciativa mais firmes e pragmáticas do Governador Antônio Augusto Junho Anastasia, cuja visão gerencial por certo perceberá que há algo de errado na SEF/MG. Há urgência, portanto, em utilizar/otimizar a MÃO-DE-OBRA FISCAL do GESTOR FAZENDÁRIO, em prol da melhoria dos serviços públicos em nosso Estado!
A DIRETORIA
 

Notícias Relacionadas

Sinffaz participa de reunião com Deputado Federal Paulinho, da Força Sindical, em Brasília

integrate

SINFFAZ PARTICIPA DE DISCUSSÕES SOBRE IPSEMG

integrate

Fraudes em Empréstimos Consignados em Pagamento

integrate